QUANTO CUSTA UM PROJETO DE ARQUITETURA?

Essa é fácil: Um bom projeto sai de graça! Já um mau projeto (ou, pior ainda, uma obra sem projeto) custa caro!

Mas não deveria ser o contrário?

Sim, se você considerar só o valor que você paga para o seu arquiteto. Não, se você considerar os custos envolvidos na obra e o valor de mercado do produto final.

Vamos entender isso…

O projeto, ao mesmo tempo em que é o processo pelo qual se concebe uma construção, se definem as ideias e se resolvem os problemas, é também a maneira de representar tudo o que será construído, de forma que os conceitos, ideias e soluções adotados pelo profissional responsável sejam plenamente entendidos por quem tiver em mãos uma cópia do projeto – seja para planejamento e orçamento da obra, para a elaboração de projetos complementares, ou para a execução da edificação. Um projeto tecnicamente bem resolvido fatalmente leva à solução mais prática, econômica e funcional de uma edificação, contribuindo para a redução do custo total da obra.

→ Soluções de última hora e improvisações no canteiro de obra são ótimos caminhos para erros, retrabalho e gastos imprevistos.

Por outro lado, nem só de técnica vive a arquitetura…

Uma edificação é uma escultura habitável. Ela possui seus atributos subjetivos que causam sensações e emoções às pessoas que a utilizam ou a observam e isso tem impacto direto no valor da edificação. Uma casa bonita e com ambientes bem resolvidos tende a ter um maior valor de mercado do que uma feia e mal resolvida. Uma loja bem projetada será mais atrativa para os clientes da mesma forma que imóveis construídos para serem comercializados serão mais desejados pelos potenciais compradores.

Ou seja, uma edificação tecnicamente bem projetada terá um custo menor para a sua execução e uma edificação bonita e com ambientes bem resolvidos terá um valor de mercado maior.

Somando esses dois aspectos (menor custo + maior valor de mercado) e considerando que o preço de projeto de arquitetura fica em média entre 5% e 12% do valor total da obra, fica fácil perceber que um bom projeto se paga e, além disso, dá lucro.

Por isso, é sempre recomendado que o cliente contrate bons profissionais para a elaboração tanto do projeto de arquitetura, quanto dos projetos complementares.

Vejamos o caso do cálculo estrutural, que muita gente negligencia:

No cálculo estrutural o calculista determina precisamente a melhor solução e o dimensionamento exato de cada elemento da estrutura, trabalhando com o que realmente é necessário para a execução da obra com segurança, o que leva ao consumo racional de materiais e mão-de-obra. Ao passo que uma obra feita sem cálculo estrutural tende a dois caminhos:

Ter a sua estrutura superdimensionada, aumentando consumo de concreto, ferragem, formas, horas trabalhadas, escavações, etc. É a situação mais comum;
Ter a estrutura subdimensionada, o que pode levar a edificação a apresentar problemas estruturais sérios e até à ruína.
Elaborando um projeto de arquitetura
Elaborando um projeto de arquitetura

Mas o que é um bom projeto de arquitetura?

Um bom projeto de arquitetura começa por possuir e seguir um partido arquitetônico e um conceito que orientem as decisões de forma que as soluções não sejam tomadas de forma aleatória. Por exemplo, projetar uma casa que transmita modernidade e que possibilite a apreciação de uma paisagem, ou um hotel que seja rústico, aconchegante e ainda sofisticado.

Em seguida vem a capacidade de atender às necessidades e expectativas do cliente, que é onde entram os fatores funcionalidade, custo e estética.

Devemos também considerar a legalidade. Um bom projeto é concebido de acordo com a legislação e não deve apresentar problemas de aprovação junto aos órgãos públicos. O prazo de aprovação irá aumentar substancialmente para um projeto que sofra muitas recusas e revisões.

Outro ponto é a exequibilidade e o fornecimento de uma base de informação para projetos e documentos complementares. Um projeto de arquitetura bem elaborado certamente não sofrerá grandes intervenções por incompatibilidades com projetos estruturais ou de instalações. Pelo contrário, um bom arquiteto tem noção do limite que pode levar a estrutura dentro do orçamento previsto pelo cliente, sabe lançar os elementos estruturais de forma que facilite a sua execução, pensa sobre as possíveis interferências das instalações prediais e, além disso, apresenta no seu projeto todas as informações necessárias para que estes outros projetos sejam elaborados, assim como o orçamento, planejamento físico-financeiro, memoriais descritivos, etc.

No geral, são esses os principais aspectos a se observar em um projeto. Dependendo de cada caso, um aspecto pode ser mais aprofundado do que outro, mas nenhum deve ser negligenciado.

Então, na hora de construir, não há dúvidas de que a melhor solução é a contratação de um bom projeto. É melhor para o bolso de quem constrói e para o bem-estar de quem vai utilizar a edificação.

Gostou? Tem dúvidas? Foi útil?

Curta, compartilhe e utilize os comentários!

La penseé du jour:

” O arquiteto não é um apêndice de uma máquina constrangedora e terrível. Ao contrário, cabe-lhe ajudar a dominar, a submeter a estrutura impositiva que transforma o homem em coisa, em vítima de sua própria criatura” (Vilanova Artigas)

Post Your Comment Here

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *